Califórnia combate peste sem veneno

A agricultura não se resume a lançar a semente ao solo e esperar, envolve muita ciência para adequação do solo, do clima, da chuva, sol, e pragas.

Por MARIO EUGENIO SATURNO 28/04/2022 - 15:30 hs

 E para as vinícolas californianas, há roedores como esquilos e camundongos que podem causar grandes estragos em um vinhedo. Os californianos estão inovando ao substituir os venenos para deter essas pragas por uma abordagem mais natural usando corujas. É um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Estadual Humboldt e divulgado no Fórum Econômico Mundial.


Resolveram testar a eficácia das corujas para controlar o problema. Os pesquisadores iniciaram os estudos em 75 vinícolas de Napa Valley, onde foram colocados cerca de 300 ninhos de coruja. Eles estão documentando o impacto de confiar nas corujas.


Em janeiro de 2021, o Departamento de Regulamentação de Pesticidas da Califórnia estabeleceu limites mais rígidos ao uso de raticidas, que podem matar pássaros e outros animais que comem roedores envenenados pelos raticidas. Esses pesticidas levam a mortes horríveis por sangramento interno para os roedores que os ingerem.


As corujas-das-torres têm uma temporada de nidificação de quatro meses, durante os quais passam cerca de um terço do tempo caçando nos campos. Uma família de corujas pode comer até 1.000 roedores durante a época de nidificação ou cerca de 3.400 em um único ano.


Os pesquisadores dizem que a maioria dos vinicultores em seu estudo não usa mais os pesticidas desde que adicionaram caixas-ninho às suas propriedades. Um estudo recente descobriu que, dos agricultores que cultivam uvas para vinho em Napa Valley, 79% usam caixas-ninho e 21% usam pesticidas.


Os agricultores usam corujas e outras aves de rapina para caçar roedores há séculos, mas os pesticidas químicos modernos têm precedido os métodos naturais nos últimos tempos. Em um esforço para deixar menos impacto negativo no meio ambiente, agricultores de todo o mundo estão voltando a empregar aves de rapina para controlar pragas, em vez de pesticidas tóxicos. Caixas-ninho estão surgindo em campos agrícolas nos Estados Unidos da América, Malásia, Quênia e Israel.


Em Napa Valley, as caixas-ninho não são a única tática para criar terras agrícolas mais sustentáveis . Os produtores também estão minimizando o uso de água. Eles também estão plantando gramíneas perenes entre as fileiras de uvas, pois isso pode reduzir a erosão do solo e melhorar a ciclagem de nutrientes e carbono.


Ainda assim, há um longo caminho a percorrer para melhorar a agricultura sustentável, inclusive na indústria do vinho. Napa Valley tem mais de 40.000 acres de vinhedos e apenas 3.800 acres são certificados como orgânicos. Com o uso crescente de caixas-ninho, há esperança de que os agricultores confiem nesses métodos em vez dos pesticidas.


Em áreas urbanas brasileiras, é possível encontrar até 15 espécies diferentes de aves residentes ou migratórias. São falcões, gaviões e corujas e que controlam populações de ratos, pombos, cobras, escorpiões, carrapatos e aranhas naturalmente. É uma solução que as prefeituras poderiam estudar e estimular.


Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.