Brasil lança 325 mil toneladas de plástico no mar por ano

Cerca de 890 toneladas de plásticos são despejadas no mar brasileiro por dia.

Por F. Luce 28/12/2020 - 15:08 hs
Foto: agencia brasil
Brasil lança 325 mil toneladas de plástico no mar por ano
plastico na praia

Rafael Gonçalves:

 A poluição marinha por plásticos é um grave problema global, que tem efeito sobre os ecossistemas marinhos, o clima, a qualidade de vida da população e as atividades econômicas que dependem do mar. 

Um estudo da organização não governamental e sem fins lucrativos, Oceana, mostra que o Brasil, maior produtor de plástico na América Latina, é responsável por pelo menos 325 mil toneladas desses resíduos no oceano, que são levados a partir de fontes terrestres tais como lixões a céu aberto e descartes inadequados a cada ano. 

Os dados fazem parte do relatório “Um oceano livre de plástico – desafios para reduzir a poluição marinha no Brasil”. De acordo com a pesquisa, a maior parte desse lixo marinho é composta por produtos e embalagens plásticas descartáveis e, em geral, esses itens são feitos para consumo e descarte imediato, gerando grande quantidade de resíduos não biodegradáveis. 

 

“O estudo da Oceana mostra que 325 mil toneladas de plástico chegam ao mar todo ano e a maioria disso é plástico descartável, isso traz consequências tanto para a vida marinha quanto para a vida das pessoas”, explicou a cientista marinha Lara Iwanicki, uma das responsáveis pelo relatório.

A indústria brasileira produz anualmente cerca de 500 bilhões de itens plásticos descartáveis tais como copos, talheres, sacolas plásticas, e embalagens para as mais diversas aplicações. São 15 mil itens por segundo. A maior parte acumula-se em aterros, lixões, mas uma parcela muito importante vai para o meio ambiente. 

Cresce em 16% a destinação inadequada do lixo, no Brasil, em 10 anos

MG: Destinação correta dos resíduos sólidos é meta do Consórcio Municipal de Desenvolvimento Regional

Parte desse volume de lixo tem sido ingerido também por animais marinhos, que morrem contaminados. Outra parte acaba convertida em pequenos fragmentos, microplásticos que poluem as águas e acabam sendo ingeridos pelos pescados e assim pela população.

Em apenas 24 horas, bilhões de itens de plástico escorrem pelos esgotos, ou são levados pelas chuvas e acessam os rios, até invadirem o litoral. São embalagens abandonadas em lixões, materiais deixados sobre as areias das praias que acabam nas águas do Atlântico. 

Uma prova da chegada desses poluentes na costa é o estudo que mostra que 70% dos materiais e fragmentos coletados em limpezas de praia no litoral brasileiro são de plásticos, principalmente embalagens. 

 

Diante desse cenário, a Oceana propõe a criação de uma Lei nacional para reduzir a oferta e uso de plástico descartável, visando reduzir a geração de resíduos evitáveis, problemáticos e desnecessários de plástico, seguindo o exemplo de mais de 40 países no mundo.

“Para impedir que o plástico continue entrando no nosso oceano a gente precisa reduzir a quantidade de plástico descartável que está sendo colocado no mercado. A Oceana defende que precisamos de uma lei nacional regulamentando o uso do plástico descartável e que as empresas também se responsabilizem, as empresas precisam oferecer para os seus consumidores alternativas, opções de embalagens e de produtos que não sejam plástico, para que o consumidor também consiga fazer uma escolha consciente”, declarou Iwanicki.

Ativismo

Atuando há 8 anos com mutirões de limpeza de praia, o Instituto Mar Azul (IMA) surgiu através da insatisfação com as condições ambientais das praias, oceanos e ecossistemas, representantes da sociedade civil. Segundo o diretor-presidente do instituto, Hailton Santos, a mobilização em defesa da criação de políticas públicas relacionadas à balneabilidade das praias e à preservação da vida marinha tem como principal bandeira o esforço conjunto da sociedade civil organizada.

“Em meados de 2012 um dos nossos fundadores contraiu uma infecção ao surfar na praia do boqueirão em Santos, em São Paulo. Quando nós soubemos que ele havia ficado doente ficamos muito indignados e aí nos demos conta da quantidade e variedade de resíduos existentes na praia e decidimos fazer alguma coisa”, contou Santos. 

 

Definindo o plástico como um material onipresente, o ativista ambiental Alex Trevelin usou da mobilização nas redes sociais para tomar uma atitude que pudesse mudar a realidade das praias ao seu redor, criando então o Projeto ECOlibri.

“Claro que pra gente resolver um problema como esse, o que eu encaro também como uma prioridade é a mudança de hábito, é importante que sejamos ecoconscientes e saibamos promover a auto observação, pois através dessas iniciativas individuais que possibilitam acontecer as mudanças, mas é claro que políticas públicas, por exemplo planos de gerenciamento de resíduos sólidos, como o próprio nome sugere, eles precisam ser revisados e exigidos pelas secretarias municipais”, avaliou.  

 

Municípios

Para a cientista marinha Lara Iwanicki, atitudes simples podem fazer a diferença, como a recusa do plástico descartável sempre que for possível. Ela afirmou ainda que é possível contribuir para diminuir esse número descartado no mar mesmo em municípios distantes do litoral, e que a atuação dos gestores municipais têm papel fundamental. 

 

“O plástico que chega no mar também vem do lixo que cai nos rios nas cidades do interior, os prefeitos não só tem o papel importantíssimo na resolução desse problema, como também uma ótima oportunidade com o início do mandato de 2021, que é a prevalência de reduzir o uso do plástico descartável”, disse Iwanicki.

Para tentar reduzir a poluição ambiental, a maior cidade do País, com 12,2 milhões de habitantes, São Paulo proibiu o fornecimento de copos, pratos, talheres, agitadores para bebidas e varas para balões descartáveis feitos de material plástico aos clientes de hotéis, restaurantes, bares e padarias, entre outros estabelecimentos comerciais. 

#Brasil#Estados#Meio ambiente#Municípios#Sustentabilidade

 fonte: Agencia Brasil 61